area de serviço - Conto Erótico Gay

Sem categoria
616 visualizações
area de serviço - Conto Erótico Gay

O que vou contar, apesar de parecer ficção é realidade. Aconteceu-me há 2 dias atrás. Compreendo que haja quem não acredite, pois eu próprio não consigo perceber. Eram por volta das 7h da manha e ia eu de regresso a casa na A23 quando uma pequena vontade se tornou numa urgência para urinar. Parei na 1a área de serviço que encontrei. Tava deserta.

Estacionei e corri para o wc. Mal tinha começado a despejar entra um homem, tinha na volta de seus 40 e tal anos, camisa branca a notar já uma barriga, pêra e bigode já grisalhos, óculos e já com alguma calvise. Estaciona-se no urinol mesmo ao meu lado e começa a fazer o seu serviço. Nunca gostei que urinassem no urinol mesmo ao meu lado, tentei descontrair e distrair lendo as parvoíces que escrevem nas paredes. Mesmo em minha frente tava o que parecia um anuncio de sexo gay, o que achei uma leve piada, a ponto de soltar um tímido riso.

Notei que o homem olhou pra mim e depois para a parede. Continuei a ver os escritos e desenhos, e pelo canto do olho reparei que o homem ao terminar seu serviço aproveitava para espreitar para o meu lado. Fingi que nem reparei. Parecia que a minha torneira não queria secar. Ate que o homem ao lavar as mãos comenta: -fogo amigo, tava mesmo aflito! -muito, já vinha a apertar a alguns kilometros...

Lá terminei, sacudi e meti pra dentro. Lavei as mãos e quando ia a esticar-me pras folhas de papel o homem chegou-me 2, agradeci e sequei as mãos. E o homem diz: -sei que isto é muito estranho, mas a minha bateria não quer pegar, será que me podia dar uma chupeta? -sim, claro! Sorri apesar de achar muito estranho. Íamos quase a sair do wc quando ele se vira pra mim de repente, agarra-me mesmo no pau e empurra-me pra dentro duma cabine. Aquilo foi tão rápido que nem pude reagir, e cheguei a pensar que tava a ser assaltado!

Encostou-me á parede, sempre a agarrar-me no pau, e com a outra encostou a porta. E ali tou eu de braços esticados a pensar que tou a ser assaltado e ele a apalpar-me, começava a saber muito bem, a ponto de começar a ficar com tesão. Ele com a respiração ofegante e bem baixinho pergunta-me lambendo os lábios e sorrindo: -tens pressa? Abanei a cabeça negativamente, mordendo os lábios. Tranca a porta e apalpa-me o pau com uma mão, enquanto com a outra dá-me a volta e beija meu pescoço e ouvido.

Tenta chegar a minha boca, mas eu fujo gentilmente inclinando o pescoço pro lado. Nisto ele puxa-me de costa pra porta e senta-se n sanita mesmo em minha frente. Desaperta-me as calças com alguma violência, quase parecia chateado por lhe ter negado o beijo. Desce-me as calças junto com os boxers ate aos pés, fazendo meu pau pular pra fora. Ao velo da um gemido baixinho e com uma mão agarra-o, com a outra acaricia-me os testículos, e vai aproximando o rosto levemente, primeiro com o nariz, a roçar em volta e depois com a boca, abocanhando a cabeça. Nas paredes laterais da cabine havia 2 pequenos ganchos pra pendurar, um de cada lado, aproveito-me deles para me agarrar, enquanto ele vai descendo cada vez mais no meu pau teso. Começo a sentir os seus pelos faciais a picar-me. Os seus movimentos de boca aumentam cada vez mais, aumentam tanto que tinha dificuldade em segurar-me nos pequenos ganchos. As minhas nádegas batiam com força contra a porta fria com os movimentos.

A sua mão subia dentro da minha t-shirt explorando o meu peito, e sem parar de mamar percorria cada contorno do meu peito ate chegar ao meu mamilo, dando-lhe um aperto repentino e forte quase me fazendo gritar, o gancho esquerdo arranca-se da parede fazendo-me quase cair. Agarro-me aos seus ombros e pescoço, vejo algumas gotas de suor a formar na sua cabeça. Nisto ele leva as duas mãos pas minhas nádegas, e apertando-mas com muita força empurra-me na sua direcção, fazendo o meu pénis lentamente desaparecer todo ate ao talo, sinto-o na sua garganta, sinto o calor delicioso que acolhe meu pau. Apesar da força toda com que me agarrava as nádegas e o picar da sua barba e bigode apenas sentia o enorme prazer da sua boca. E comigo todo debruçado sobre ele vejo meu pau lentamente a deslizar para fora da sua boca, com as veias salientes, duro como pedra, bem vermelho e a pingar todo babado de saliva, ate a barba de pingava alguma saliva, especialmente nas pontas do bigode. Punheta-me um pouco recuperando o folgo, olha pra mim por cima dos óculos e rola a boca em roda dos lábios.

Ponho as mãos na sua nuca e encaminho de novo po meu pau o qual ele recebe de boca aberta. E mamando e punhetando com força sinto que não me vou controlar muito mais... Agarro suas orelhas com força e soltando um rugido descarrego enormes jactos de leite pra sua boca que ele apanha todo na boca. Solto-me dele e atiro-me de costas contra a porta. Ele sentado na sanita e de boca cheia puxa um pouco de papel higiénico e cospe o leite da boca, deita o papel na sanita e volta pa apanhar as ultimas gotas. Metendo a boca apenas na cabeça do pénis e espremendo com a mão ate a ultima gota cair na sua boca que ele voltou a cuspir fora. Limpou-me o pau todinho, puxou-me as calças e boxers, tendo cuidado de me ajeitar tudo. Apertou-me as calças e levantou-se da sanita. E de frente para mim tira uma caneta do bolso da sua camisa, puxa-me a mão e escreve um número no braço e diz-me baixinho no ouvido: -liga-me, se quiseres... E beija-me o ouvido. Destranca a porta e sai da cabine. Eu permaneço lá dentro, encostado.

Tranco a porta e olho pró numera no meu braço. Sinto a água a correr do lavatório e pouco depois a porta. Gravo o número no telemóvel e saio. Passo agua pela cara, lavo o braço e saio. Sento-me no carro e fumo 2 cigarros a tentar perceber o que se passou e o que fazer. Eu sei que isto tudo parece mentira!

Comentários

Nenhum comentário foi adicionado nesta publicação

Adicionar novo comentário

Você deve estar logado para adicionar um novo comentário. Faça login
Queres inserir um anuncio? Criar uma conta
Utilizador não logado
Olá wave
Bem-vindo! Entrar ou registrar-se